28 de novembro de 2020

Japão vota sob sombra de tradições e apatia

Por Raul Juste Lores, na Folha: A eleição parlamentar de hoje no Japão deve marcar a maior derrota da história do Partido Liberal Democrata (PLD), no poder quase ininterruptamente desde 1955. As pesquisas indicam que o opositor Partido Democrático do Japão (PDJ) pode ficar com 67% da Câmara dos Deputados, e Yukio Hatoyama, 62, será […]

Por Raul Juste Lores, na Folha:
A eleição parlamentar de hoje no Japão deve marcar a maior derrota da história do Partido Liberal Democrata (PLD), no poder quase ininterruptamente desde 1955.
As pesquisas indicam que o opositor Partido Democrático do Japão (PDJ) pode ficar com 67% da Câmara dos Deputados, e Yukio Hatoyama, 62, será o novo primeiro-ministro, sucedendo o impopular Taro Aso, 68, há dez meses no cargo.
Mas diversos analistas ouvidos pela Folha dizem que a mudança de partido ainda é pouco para a renovação da política e da economia japonesas.
Tanto Hatoyama quanto Aso são da quarta geração de políticos em suas famílias. Nos anos 50, o avô de Hatoyama foi rival do avô de Aso, ambos no PLD.
Na versão nipônica do coronelismo, distritos eleitorais são passados de bisavôs para bisnetos, sem pular uma única geração. Os últimos quatro premiês do país seguem a tradição hereditária. Aso, Yasuo Fukuda e Shinzo Abe foram filhos ou netos de primeiros-ministros. O popular ex-premiê Junichiro Koizumi, aquele de penteado roqueiro, colocou o filho de 28 anos como candidato em seu distrito na eleição.

Problemas econômicos
Na economia, o peso da tradição não é tão diferente. A partir do pós-guerra, o importante era dar todo o poder a quem produzisse e protegê-lo da competição externa -desde que empregasse o máximo de gente possível. O emprego garantiria o bem-estar social. Caberia ao trabalhador se virar, poupando o máximo possível.
Essas políticas funcionaram enquanto havia o crescimento acelerado provocado pela reconstrução do país. A chamada “fortaleza Japão” impede a entrada de concorrentes estrangeiros em várias áreas, dá regalias aos empregados mais antigos, mesmo que já não produzam nada, e relega os contratos temporários e falta de benefícios aos mais jovens.
A chegada de imigrantes, os quais poderiam energizar o país e, pelo menos, aumentar a natalidade, sofre com ainda mais barreiras. “A recessão global expôs as fraquezas estruturais do Japão, da dependência excessiva das exportações e do consumo doméstico anêmico à ineficiência e às barreiras à competição”, afirma a economista Mikka Pineda, analista-chefe para a Ásia da consultoria RGE Monitor.
“A raiz de tudo isso é etária. Uma população que envelhece faz encolher a mão de obra e o mercado consumidor. A década perdida já pode ser chamada de “décadas perdidas’”, diz.
O Japão ainda é a segunda maior economia do mundo (mas deve ser ultrapassado pela China no ano que vem) e tem uma renda per capita de US$ 38 mil, 4,6 vezes maior que a brasileira. Mas toda essa riqueza está ameaçada.
O número de trabalhadores com mais de 65 anos aumentou 19% na última década, enquanto a participação dos que têm entre 25 e 34 anos encolheu 9%. Em cinco anos, um quarto da população japonesa já terá idade superior a 60 anos.
“Os partidos favorecem os eleitores mais velhos nas campanhas porque eles votam mais”, diz Takehiko Nishino, ativista da organização não governamental Ring, que promove o voto entre os jovens. Aqui

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp
11993455895